Mundiais

A Nova Ordem Mundial

A primeira fase da Copa do Mundo de Basquete Feminino se encerrou hoje (26 de setembro) com algumas agradáveis mudanças na monótona geografia da modalidade.

Responsáveis pela eliminação do Brasil da competição, Argentina e Porto Rico não venceram nenhum dos seus três jogos e foram eliminados, compondo uma fotografia certeira do grau de evolução do basquete feminino latino-americano. Letônia e Coréia também não venceram e caíram.

Do outro lado, os quatro invictos após os três primeiros jogos avançaram diretamente para as quartas-de-final: os Estados Unidos (ainda sem a habitual potência), a Austrália (com a “dona” do Mundial, Liz Cambage), o ascendente Canadá e a surpreendente Bélgica (de Emma Meeseman).

A melhor notícia, no entanto, foi a campanha surpreendente das seleções africanas. Nigéria e Senegal mostraram notável evolução técnica e muita força física e se uniram aos oito times que disputaram as outras quatro vagas para as quartas-de-final.

Com uma vitória sobre a Grécia (da veteraníssima Maltsi, 39 anos), a Nigéria fez história ao alcançar as quartas-de-final da competição. Mas terá na sexta-feira um indigesto confronto contra os EUA.

O Senegal não teve a mesma sorte contra a Espanha, dona da casa. Sob suspeita de ter ‘entregado’ o jogo contra a Bélgica para evitar os EUA numa virtual semifinal, a seleção espanhola tentará seguir na competição contra o Canadá.

No confronto asiático, a China passou pelo Japão e tem impressionado com um time jovem e alto, que tentará a sorte contra a Austrália.

Por fim, no confronto europeu, a França despachou a Turquia e terá um novo confronto doméstico na sexta. Dessa vez, contra a Bélgica.

Acompanhemos o que o fim de semana trará!