Universitário

IZABEL VAREJÃO: SONHOS E BOM COMEÇO DE TEMPORADA NA NCAA

Izabel com a camisa número 34 Foto: Michigan Wolverines

Recrutada pela Universidade de Michigan, a pivô brasileira Izabel Varejão (20 anos e 1,95 cm) teve sua primeira apresentação na pré-temporada após cerca de três meses de treinos.

Foi no dia 30 de outubro, quando a caloura saiu do banco e colaborou com 18 pontos e 6 rebotes na vitória por 97 a 46 sobre Northwood no Crisler Center.

Ao fim da exibição, Izabel foi surpreendida pela presença do tio Anderson Varejão no ginásio. Pivô da seleção masculina e com histórico de treze temporadas na NBA, Anderson avaliou positivamente a estreia da sobrinha e não disfarçou a emoção.

“Foi um jogaço e ela foi muito bem,” disse Anderson Varejão à Universidade de Michigan. “Achei muito interessante o respeito que ela teve pelas adversárias. A maneira séria com que jogou, com garra, determinada, brigando por todas as bolas, pulando no chão e isso mostra muito da pessoa que ela é e como ela encara cada jogo.”

“Cada vez que ela fazia uma cesta, anunciavam o nome dela, ver a torcida vibrando, vendo o Varejão nas costas. Aquela menina que eu vi crescer, que peguei bebê no colo. Foi emocionante mesmo e muito bacana.”

Nas sete apresentações na temporada até o momento (com seis vitórias), Izabel soma médias de 7 pontos, 5 rebotes e 2 tocos em 17 minutos, marcando um espaço interessante na rotação do time para uma caloura que tem sido preparada fisicamente para ganhar mais massa muscular.

A partir das próximas rodadas, Michigan terá confrontos mais duros com rivais da sua conferência, a Big Ten, como Syracuse (futura casa de Kamilla Cardoso) e Florida State (de Izabela Nicoleti).

Além desses desafios, Izabel tem em mente dois outros sonhos.

O primeiro é se tornar médica.

O segundo seria participar dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 com a seleção brasileira e tendo como colega de delegação o Tio Anderson.

“Duas metas desafiadoras, mas acredito que com disciplina e determinação, posso chegar lá,” disse. “Tenho muito tempo ainda para batalhar pelo diploma de medicina, mas nem tanto tempo assim para ser escolhida para estar em Tóquio.”

Nada mal, não?

por Bert – Painel LBF

(04 de dezembro de 2019)