Opinião

O BRILHO DO TRICAMPEONATO PAULISTA DE SANTO ANDRÉ

Campeão da temporada de estreia da LBF (2010/2011), a equipe de Santo André viveu trajetória descendente na competição e não chegou às finais nas sete edições seguintes.

No Campeonato Paulista, a equipe havia ficado com o título das duas últimas edições, ambas bastante esvaziadas.

Mas na noite de ontem (13 de dezembro de 2018), o Ginásio Pedro Dell’Antônia recebeu um bom público, que reviveu a força e a tradição do basquete feminino de Santo André e assistiu a vitória por 71 a 68 sobre o atual campeão da LBF, o Vera Cruz Campinas, no terceiro jogo da série final do Campeonato Paulista.

Depois de uma derrota em Campinas (67 x 57) e uma vitória dramática em casa (69 x 67), o triunfo valeu a conquista do tricampeonato da competição.

Com poucas opções no banco e a contusão da ala Érika Leite, a missão de Santo André parecia inglória. Mas com um time bastante consciente, organizado, que leu a partida e dividiu responsabilidades, o jogo virou.

O jogo final foi um bom exemplo do que Santo André fez no campeonato. As titulares dividiram a pontuação na partida. A armadora Alana teve atuação maiúscula, com 14 pontos. Jaqueline marcou 15. Izabela apareceu mais  e registrou 13 pontos e 5 assistências. Barbara se mostrou uma jogadora mais madura, com 10 pontos, 12 rebotes e 4 assistências. E por fim a veterana Simone Lima, o equilíbrio emocional do time: 12 pontos, 5 rebotes e 4 assistências. Ainda houve espaço para boas breves aparições de Marília (2 pontos) e Bia (5).

Assim como Santo André repetiu o que fez em todo o campeonato, Campinas insistiu na receita que já não vinha funcionando. Com um ataque estático, o time não conseguia pontuar mesmo com domínio absoluto dos rebotes ofensivos (19 a 6). Embora a argentina Melissa Gretter tenha feito coisas do arco da velha nessas finais (19 pontos e 4 assistências ontem), não foi o suficiente. Pesaram bastante a má fase de Ariadna (2/10 nos arremessos ontem) e a falta de inspiração das boas opções do banco. Ótima contratação, Vitória chutou os mesmos 2/10. A previsibilidade minou até mesmo o jogo da pivô Gil (3/10).

Ao final da partida, mesmo o técnico Vendramini admitiu que o título estava em boas mãos.

Parabéns, Santo André!

Bert