Mercado

UMA CASA PORTUGUESA, COM CERTEZA

Foto: Fábio Leoni

Portugal é um destino frequente no mercado externo para jogadoras brasileiras.

Na temporada 2020/2021, no entanto, o número de atletas do Brasil presentes na Liga Feminina daquele país é recorde.

Embora ainda seja uma liga periférica diante do conjunto de forças europeu, a competição tem doze clubes, movimenta divisões de acesso e recebe muitas americanas iniciando sua trajetória no basquete profissional.

Em geral as passagens por lá foram benéficas nas trajetórias das jogadoras brasileiras.

Em 2008, por exemplo, a ala Fernanda Beling se apossou da vaga deixada por Iziane para os Jogos Olímpicos de Pequim após a disputa da Liga Portuguesa. Um ano depois, a passagem por lá marcou uma nova etapa na carreira da pivô Clarissa, até então bastante subestimada no mercado interno. Isso sem falar mais recentemente nas passagens de Tainá, Raphaella Monteiro e Bárbara.

Por enquanto são oito as brasileiras confirmadas na Liga.

Na semana passada, o técnico da seleção brasileira, José Neto, fez uma interessante análise do perfil dessas oito atletas para um site português.

O anúncio mais recente foi o da armadora Aruzha Michaski, ex-Pró Esporte Sorocaba e cestinha da edição 2019 da LBF, com média de 16,5 pontos por jogo. Aruzha defenderá o Galitos, clube que ascende nessa temporada à primeira divisão e que já contou com a pivô brasileira Bárbara Bazílio no passado. Além de Aruzha, o Galitos trouxe ainda a ala americana Whisper Fisher (ex-Universidade de Syracuse) e manteve pela segunda temporada a também americana Kianna Wynn.

A pivô Barbara Bazílio dessa vez reforça o Vitória de Guimarães, ao lado da ala Tati Pacheco. As duas terão a companhia da armadora americana Grayson Bright, que vem de Louisiana Tech.

A ala Raphaella Monteiro será recebida pelo Quinta dos Lombos. O time conta ainda com a jovem pivô moçambicana Célia Sumbane e com a armadora americana Jade Philips (ex-UNC Charlotte).

O G.D. ESSA Barreiro terá a dupla de pivôs Aline Moura e Jennifer Nonato.

Gabriela Guimarães reforçará o União Sportiva, com a companhia das americanas  Nausia Woolfolk (armadora, ex- Florida State University) e Nasrin Ulel (ala, ex-Florida Gulf Coast University).

Por fim, Júlia Torres defenderá as cores do Olivais, ao lado da ala Kendrian Elliott (ex-Tulsa) e da armadora Kahlia Lawrence, que chegou a ser draftada pelo Lynx na WNBA e vem de temporadas no basquete italiano e eslovaco.

Outros clubes também já confirmaram seus reforços estrangeiros.

O Benfica trouxe as alas americanas Japonica James (ex-Troy University) e Altia Anderson (ex-Marquette).

O Madeira terá as alas americanas Nike McClure, que chega depois de ser destaque em um clube no Chipre, e Paige Cannon (ex-Duquesne) e a armadora montenegrina Jelena Nikpaljevic, que se dividiu entre a Bósnia e Luxemburgo na última temporada.

O Guifões tem duas americanas: a armadora Rubin Taneka, que jogou a última liga local pelo Carnide, e a ala Tylinn Carter, cujo último clube foi na Bolívia.

E, por fim, o Vagos confirmou duas experientes americanas, com passagens pelas mais diversas ligas europeias. A ala Maria Blazejewski tem teve seu último clube na segunda divisão da França. E a armadora Chelsie Schweers vem de uma liga semi-profissional na Austrália.

por Bert – Painel LBF

(12 de setembro de 2020)