História

UMA PARTE DA HISTÓRIA DO BASQUETE FEMININO NO PAN

A conquista da medalha de ouro dos Jogos Pan-Americanos de Havana (Cuba, 1991) foi um momento marcante na história do basquete feminino brasileiro e permanece viva na lembrança de muitos desde então.

A vitória por 97 a 76 sobre as donas-da-casa e a surpreendente reação do então presidente cubano Fidel Castro no momento de entrega das medalhas consagrou e marcou para sempre as carreiras de Paula e Hortência.

Além das duas, o time era composto por Janeth, Marta Sobral, Ruth, Nádia Bento, Vânia Hernandes, Simone Pontello, Ana Motta, Joyce, Roseli Gustavo e Adriana Santos. A técnica era Maria Helena Cardoso.

Quatro anos antes, a seleção já havia conquistado um bom resultado no Pan de Indianápolis (EUA, 1987): uma medalha de prata, também sob o comando de Maria Helena Cardoso. Mas a conquista foi abafada por outro momento histórico marcante, dessa vez para o basquete masculino, que venceu os Estados Unidos na final da competição.

Jogaram em 1987: Paula, Nádia, Vânia e Vanidra Hernandes, Ruth, Vânia Teixeira, Neusa Ribeiro, Hortência, Zezé, Branca e Marta Sobral.

Depois de 1991, a seleção brasileira foi campeã mundial (1994), prata (1996) e bronze (2000) olímpica, mas não conseguiu repetir um ouro no Pan, ainda que o nível técnico da competição tenha caído muito desde Havana.

Em Mar del Plata (Argentina, 1995), a competição de basquete feminino do Pan foi cancelada por falta de interessados.

Nas três próximas edições, o técnico Antônio Carlos Barbosa comandou o time.

Em Winnipeg (Canadá, 1999), o time esteve bem irregular  e após passar invicto pela primeira fase, perdeu na fase decisiva para adversários que acabara de derrotar. Na semifinal, uma cesta de Tammy Sutton-Brown definiu a vitória das canadenses. Na decisão do bronze, o time perdeu para os Estados Unidos (85-59) e ficou com o quarto lugar.

Jogaram: Adriana Santos, Adrianinha, Cíntia Luz, Helen Luz, Zaine, Kelly Santos, Leila Sobral, Lilian Lopes, Patrícia Mara, Roseli Gustavo e Rosângela Pereira.

Quatro anos depois, em Santo Domingo (República Dominicana, 2003), a passagem da seleção brasileira na competição ficou marcada por uma derrota para a seleção americana na semifinais. O Brasil jogou mal, mas o jogo teve um incrível erro de placar, que contabilizou pontos a mais para as americanas, que assim foram para a prorrogação e venceram (75-69). Na decisão do bronze, o Brasil passou pelo Canadá (55-46).

Jogaram: Adrianinha, Alessandra, Cíntia Tuiú, Jacqueline Godoy, Mamá, Kelly Santos, Lilian Lopes, Micaela, Renata Oliveira, Silvinha Luz, Êga e Vivian.

Em 2007, no Rio de Janeiro (Brasil), o evento marcaria a despedida da incrível Janeth da seleção. Invicto até à decisão, o Brasil acabou perdendo para os Estados Unidos por 79 a 66 e ficou com a prata.

Jogaram: Adrianinha, Graziane Coelho, Ísis, Janeth, Mamá, Karen Gustavo, Kelly Santos, Micaela, Palmira, Patrícia Oliveira (Chuca), Êga e Tatiana Conceição.

Em 2011 (Guadalajara, México), a seleção vinha de recente conquista do Pré-Olímpico das Américas e havia deixado boa impressão na estreia do técnico Enio Vecchi no comando. Mas o time se embaralhou em uma competição esvaziada, na qual tinha a obrigação do ouro. Caiu nas semifinais diante de Porto Rico (69-68) e acabou com um bronze após vitória contra o Colômbia (87-48).

Jogaram: Babi, Tássia, Palmira, Izabela Andrade, Iziane, Jaqueline de Paula, Sílvia Gustavo, Gil, Damiris, Carina Felippus, Érika e Clarissa.

Em sua participação mais recente no Pan, o Brasil voltou ao Canadá (Toronto, 2015). Dessa vez sob o comando de Zanon, o time perdeu na estreia para a seleção americana e encarou as donas da casa (completas) nas semifinais. Após amarga derrota (91-63), o Brasil perdeu a decisão do bronze para Cuba, com Casanova (66-62).

Jogaram: Izabella Sangalli, Débora, Tássia, Tainá, Isabela Ramona, Fabiana Caetano, Cacá, Kelly Santos, Gil, Patty, Jaqueline de Paula e Karina Jacob.

A partir dessa terça-feira (06 de agosto), o Brasil escreve um novo capítulo dessa história, com novo técnico, José Neto, em Lima (Peru).

Entre as doze convocadas, Débora, Tainá, Érika, Clarissa, Izabella Sangalli, Patty, Isabela Ramona já estiveram no Pan.

Aline Moura, Stephanie Soares, Raphaella Monteiro, Tati Pacheco e Lays jogam a competição pela primeira vez.

Vale a torcida.

Os compromissos do Brasil na primeira fase são contra:

– Canadá (06 de agosto, 15h30min, horário de Brasília)

-Porto Rico (07 de agosto, 23 horas, horário de Brasília)

– Paraguai (08 de agosto, 20 horas, horário de Brasília)

Clique sobre os adversários para ler informações sobre os elencos rivais no Pan.

por Bert – Painel LBF